Pular para o conteúdo principal

Procuradores fazem abaixo-assinado para defender prisão após condenação em segunda instânci

O ex-procurador geral da República Rodrigo Janot e outros 4.200 integrantes do Ministério Público e do Poder Judiciário fizeram um abaixo-assinado para defender a prisão após segunda instância. O documento será entregue nos gabinetes dos 11 ministros do STF (Supremo Tribunal Federal) na tarde desta segunda-feira (2).
O texto afirma que "a mudança da jurisprudência, nesse caso, implicará a liberação de inúmeros condenados, seja por crimes de corrupção, seja por delitos violentos, tais como estupro, roubo, homicídio etc".
"O Supremo tem que colocar a mão na consciência e ver que vai gerar efeito cascata em todo o Brasil. Por isso que houve adesão de promotores, juízes, desembargadores, procuradores", diz Renato Barão Varalda, promotor de justiça do Distrito Federal. Os procuradores da Lava Jato também assinaram o documento.
A medida é uma maneira de pressionar o Supremo a evitar uma mudança no entendimento deste assunto.
Na quarta (4), o tribunal julga o habeas corpus preventivo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. A discussão sobre a prisão após segunda instância está no centro do debate do HC de Lula: a defesa do petista quer evitar que ele comece a cumprir pena depois de ter sido condenado pelo TRF-4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região), a segunda instância.
O principal argumento é que a Constituição determina que o condenado só possa começar a cumprir pena após o trânsito em julgado do processo —o que se daria apenas depois do julgamento pelo Supremo.
No entanto, em 2016, o STF decidiu, em liminar, portanto de forma provisória, que a pena pode começar a ser cumprida depois da condenação em segundo grau.
Esse cumprimento não é obrigatório, mas os ministros definiram que o tribunal de segunda instância pode determinar a execução provisória da pena. Mas, desde então, ministros têm discutido a necessidade de julgar novamente o assunto.
O ministro Gilmar Mendes, que votou a favor há dois anos, agora é contra a prisão após sentença de segunda instância. Como o placar na época foi apertado (6 a 5), um novo julgamento poderia ter resultado diferente do anterior.
Para José Robalinho Cavalcante, presidente da ANPR (Associação Nacional dos Procuradores da República), se a corte reverter o entendimento será "o maior retrocesso que poderia haver no nosso sistema penal".
"Vai muito além da figura do ex-presidente Lula e da Lava Jato. Estamos falando do sistema jurídico como um todo", afirmou.
Deltan Dallagnol, um dos procuradores da Lava Jato, assinou o abaixo-assinado e comentou neste domingo (1º) sobre o julgamento de Lula em redes sociais: "4ª feira é o dia D da luta contra a corrupção na #LavaJato. Uma derrota significará que a maior parte dos corruptos de diferentes partidos, por todo país, jamais serão responsabilizados, na Lava Jato e além. O cenário não é bom. Estarei em jejum, oração e torcendo pelo país".
DIVERGÊNCIAS
A mudança após a decisão do Supremo em 2016 foi considerada crucial para o combate à corrupção.
Quem se opõe a essa regra, contudo, diz que ela ataca o princípio da presunção de inocência. Já quem defende a manutenção da regra afirma que as provas em um processo são analisadas apenas no primeiro e no segundo grau, enquanto os tribunais superiores servem apenas para apelar contra a condenação —assim, o princípio da presunção de inocência não seria afetado por causa da execução provisória da pena.
Além disso, argumentam que só os condenados ricos são beneficiados pela possibilidade de postergar o processo até o Supremo, pois conseguem pagar advogados para isso.
"Quando se diz que as pessoas no Brasil só vão ser presas em terceira, quarta instância, estamos dizendo que quem fica solto são ricos e poderosos. Quem consegue empurrar para quarta instância é réu de crime de colarinho branco, típico das elites, e que tem dinheiro para pagar as melhores defesas", disse Robalinho.

 Por: Folhapress

Postagens mais visitadas deste blog

Jovem natural de Ipirá morre em acidente na BA-130, entre Mairí e Baixa Grande

Na madrugada deste sábado, 17, aconteceu um grave acidente com vítima fatal, na BA-130, entre os municípios de Mairi e Baixa Grande, localizados na Bacia do Jacuípe. De acordo com informações do site Agmar Rios, houve uma colisão frontal envolvendo um caminhão VW/24.250, de cor prata, placa de São José do Jacuípe-BA e um Fiat/Strada Working, de cor vermelha, placa OZK-1494, licença de Ipirá-BA. Natural de Ipirá, o motorista do Fiat Strada que era conhecido popularmente como Elton, ficou preso nas ferragens, não resistiu aos ferimentos e morreu no local.  Segundo com informações, ele era servidor público da Prefeitura Municipal de Ipirá. O motorista do caminhão não ficou ferido. O filho dele foi que também estava abordo do veículo, sofreu ferimentos leves, foi levado para o um hospital local, mas passa bem. O acidente aconteceu na Curva do Sebo, no município de Mairi.

Acidente deixa uma pessoa ferida na BA-052 em Ipirá

Uma pessoa ficou ferida em um grave acidente ocorrido na manhã desta terça-feira (23) na BA-052, nas imediações da entrada para o Povoado Coração de Maria, município de Ipirá. De acordo com a ABOMPROCI, eram por volta das 06h30 quando a equipe de socorristas foi acionada para atender uma ocorrência do tipo colisão entre um veículo Punto com placa de Mundo Novo e uma picup Triton com placa de Salvador. Conforme informações, o Fiat Punto trafega no sentido Feira de Santana transportando pessoas para atendimento médico e ao tentar entrar no posto de combustível existente local, colidiu com o pneu traseiro da pic up que acabou vitimando uma senhora que estava abordo do Punto. A vítima, identificada como Maria de Lurdes Oliveira de Souza, 58 anos, sofreu contusões no ombro e no rosto e foi conduzida à UPA de Ipirá. Os outros ocupantes dos veículos nada sofreu. Por Ipirá Notícias com Informações da ABOMPROCI – Associação dos Bombeiros Profissionais Civis e Voluntários de Ipirá

Apadrinhado por ACM Neto na política, Kannário estreará no Festival Virada Salvador

O cantor Igor Kannário foi anunciado como mais uma atração no Festival Virada Salvador, que acontece dos dias 28 a 1 de janeiro na capital baiana, realizado pela Prefeitura de Salvador. O artista fará sua estreia com show completo no dia 30 de dezembro na Arena Daniela Mercury, que fica na Boca do Rio.
Apadrinhado político de ACM Neto, Kannário teve êxito nas eleições deste ano ao conseguir se eleger deputado federal pelo PHS com 52.472 votos. Vale lembrar que no início desse ano, o Ministério Público da Bahia (MP-BA) abriu inquérito para investigar a contratação do pagodeiro para apresentação no Carnaval de Salvador em 2017. Na época, a prefeitura de Salvador pagou R$ 120 mil pelos shows do artista (relembre aqui).
Além do baiano a festa contará com shows de Anitta, Wesley Safadão, Ferrugem, Luan Santana, Jorge e Matheus, Claudia Leitte, Alok, Kevinho, Matheus e Kauan, Xand Avião, Léo Santana, Daniela Mercury, Simone e Simaria, La Furia, Milton Nascimento e Psirico.