Pular para o conteúdo principal

Senadores querem mudar lei para barrar crianças em exposições com nudez


O Projeto de Lei do Senado n° 506, de 2017 (PLS 506/2017) altera o ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente), a fim de estabelecer a vedação do ingresso de crianças e adolescentes em eventos que "tenham nudez como foco, bem como apresentem obras retratando, ainda que simulado, sexo explícito, sexo com animais, apologia à prática de pedofilia", além do desprezo ou "ataque a crenças e credos".
O texto, apresentado em 13 de dezembro, é assinado pelo senador Magno Malta (PR-ES), presidente da CPI, e pelo relator da comissão, senador José Medeiros (Podemos-MT). O texto conta ainda com o apoio de outros quatro colegas: Flexa Ribeiro (PSDB-PA), Eduardo Lopes (PRB-RJ), Hélio José (PROS-DF) e Cássio Cunha Lima (PSDB-PB).
De acordo com a proposta, a CPI se deparou com "abusos sistemáticos na exposição de meninos e meninas a obras de arte de caráter absoluta, ente inadequado para seu desenvolvimento sadio". O projeto afirma ainda que o objetivo é evitar que crianças e adolescentes sejam expostos a "cenas nada edificantes, que somente contribuem para obstruir a formação de caráter de nossos meninos e meninas".
Parecer da procuradora federal dos Direitos do Cidadão, Deborah Duprat, sustenta que a mera nudez de um adulto diante de menores de idade não constitui crime. O documento afirma também que "é vedado ao legislador infraconstitucional estabelecer qualquer espécie de limitação à liberdade de expressão".
Sobre o direito de crianças e adolescentes a diversões e espetáculos públicos adequados à sua faixa etária, Duprat argumenta que o tema deverá ser regulado exclusivamente por lei federal, cabendo ao Poder Público "informar sobre a natureza deles, as faixas etárias a que não se recomendem, locais e horários em que sua apresentação se mostre inadequada", sendo vedada "toda e qualquer censura de natureza política, ideológica e artística".

Arte e nudez

Instalada em agosto de 2017, a CPI tinha como objetivo inicial debater propostas para combater crimes na internet, ações contra o bullying e contra o jogo Baleia Azul, que levou ao suicídio de menores.
Nas reuniões do colegiado, contudo, o debate mudou o foco para duas exposições de arte que causaram polêmica em 2017. Presidente do colegiado e integrante da bancada evangélica, Magno Malta foi alvo de crítica de colegas por fazer um uso político da comissão. Só com o deslocamento de parlamentares e de depoentes, incluindo curadores das mostras, o Senado Federal gastou R$ 39.113,78.
Em 23 e 24 de outubro, Magno Malta e o relator, senador José Medeiros viajaram a São Paulo, para audiência no Ministério Público com sobre a exposição "35º Panorama da Arte Brasileira - Brasil por Multiplicação", no Museu de Arte Moderna de São Paulo (MAM), em que um artista se apresentou nu.
Já em 23 de novembro, a CPI recebeu Luiz Camillo Osorio, curador da mostra do MAM, e Gaudêncio Cardoso Fidélis, curador da Exposição Queermuseu, com obras sobre diversidade sexual.

CPI dos Maus-Tratos prorrogada

A CPI terá até o final de junho para concluir as investigações e apresentar eventuais novas propostas. Além do PLS 506/2017, a comissão apresentou outras duas propostas.
O Projeto de Lei do Senado n° 507, de 2017 altera a CLT (Consolidação das Leis do Trabalho) para exigir que empresas de serviços de educação infantil ou do Ensino Fundamental passem a exigir comprovação de antecedentes criminais dos funcionários.
O texto também estabelece que esses trabalhadores passarão por avaliação de saúde física e mental na contratação e anualmente e que o funcionário será obrigado a informar ao empregador sobre o uso de medicamentos psicoativos e sobre eventual diagnóstico de transtorno mental. A omissão dessas informações pode resultar até em demissão por justa causa.
Já o Projeto de Lei do Senado n° 508, de 2017 altera o ECA para estabelecer que os dirigentes de estabelecimentos de Ensino Fundamental comuniquem ao Conselho Tutelar casos de violência autoprovocada envolvendo alunos.

Postagens mais visitadas deste blog

População aguarda respostas sobre a morte de Ivan de Juju do DK em Ipirá

A população ipiraense aguarda uma resposta da Polícia Civil após mais um crime chocar a todos. Na noite de terça-feira, 10, um homem conhecido por Ivan de Juju do DK foi brutalmente agredido no centro de Ipirá. A vítima chegou a ser socorrida, mas não resistiu e morreu durante a madrugada.
Somando-se mais este crime, a sensação de impunidade vem aumentando devido aos diversos casos que ainda não tiveram soluções ou não foram divulgados por parte da Polícia Civil de Ipirá.
Diversos casos de homicídio que certamente são investigados ainda não tiveram um desfecho e as famílias que perderam seus parentes sofrem, mas estão com a esperança de obter retorno através da ação das autoridades policiais. 
A situação do município é muito delicada, além da falta de respostas, por exemplo, no fim de semana, os flagrantes tem que ser encaminhados para outras cidades, dificultando a atuação das polícias durante as operações. 
Da Redação.
Foto: Whatsapp

Kannario fica indignado com Aldair Playboy por não dar crédito de música em programa da Globo

O cantor e vereador Igor Kannário ficou indignado na madrugada deste domingo (15) com a apresentação do cantor Aldair Playboy no programa “Só Toca Pop”, da Rede Globo. O programa é apresentado pelo cantor Luan Santana e pela atriz Fernanda Souza. Depois de cantar o hit “Amor Falso”, o público puxou o coral com a música “Novinha Pode Pá”, de autoria do Príncipe do Gueto, interpretada por Lucas e Orelha. A música de Kannário integra o repertório de Playboy. Ele ficou indignado, pois Aldair não deu os créditos da autoria da música, levando os créditos pelo hit. “Se fosse eu que estivesse no lugar dele, no mínimo, no mínimo, no mínimo, eu iria dizer: Poxa, Luan, essa música que a galera puxou aí agora, não é nem minha. Faz parte do meu repertório, mas é do meu amigo Aldair Playboy, lá da Paraíba, de não sei onde. Isso sim. É pelo certo. Se liga aí”, reclamou em sua conta no Instagram, por meio de vídeo. As informações são do Bahia Notícias.

Prefeitura de Ipirá intensifica trabalho de recuperação de estradas vicinais

A estrada que dá acesso à localidade rural de Coração de Maria, em Ipirá, foi totalmente recuperada pela Secretaria Municipal de Infraestrutura, através de ações desenvolvidas pela Prefeitura de Ipirá. Toda a extensão da estrada – aproximadamente 12 quilômetros – passou por serviços de patrolamento e encascalhamento.

A manutenção das estradas vicinais de Ipirá é um desafio para a administração pública. São estradas fundamentais para o escoamento da produção municipal. Desde primeiros meses da atual gestão foi elaborado um calendário de ação obedecendo ao critério de emergência de cada localidade. Já foram recuperados centenas de quilômetros. Em alguns casos, a via também foi alargada, facilitando a trafegabilidade de ônibus e caminhões. O calendário sofreu atraso por conta das chuvas que vinham caindo em todo município.
O trabalho de recuperação da estrada de Coração de Maria foi acompanhado de perto pelo vereador Laelson Neves que tem se empenhado cada vez mais para garantir sempre…