Pular para o conteúdo principal

Santander é obrigado a fazer exposições sobre diversidade após cancelar Queermuseu


Duas exposições sobre diversidade. Essa será a punição do Santander Cultural por cancelar a mostra Queermuseu – Cartografias da Diferença na Arte Brasileira, em Porto Alegre (RS), após acusações de que as obras faziam apologia à pedofilia.
A determinação é parte de um termo de compromisso assinado pelo presidente da entidade, Marcos Madureira, com o Ministério Público Federal no Rio Grande do Sul (MPF/RS), em 20 de dezembro.
De acordo com o MP, as obras da exposição encerrada 30 dias antes do previsto não faziam apologia a crime, nem ofendiam símbolos religiosos. "As obras que trouxeram maior revolta em postagens nas redes sociais não têm nenhuma apologia ou incentivo à pedofilia", escreveu o procurador regional dos Direitos do Cidadão (PRDC), Enrico Rodrigues de Freitas.
A decisão considera que a exposição foi realizada com recursos obtidos por meio da Lei Rouanet, que foi aprovada pelo Ministério da Cultura, e que é inconstitucional interferir sobre espaço destinado à promoção da cultura.
Caso o acordo não seja cumprido, o Santander Cultural pagará multa de R$ 800 mil.

Intolerância e empoderamento

Conforme o termo, a entidade tem tem até 18 meses para realizar os dois eventos. Cada um deve durar, pelo menos, oito semanas.
Em uma das novas exposições, o centro cultural abordará a questão da intolerância em quatro temas: gênero e orientação sexual, étnica e de raça, liberdade de expressão e outras formas de intolerância.
Na outra mostra, o foco será nas formas de empoderamento das mulheres na sociedade contemporânea e diversidade feminina, incluindo questões culturais, étnicas e de orientação sexual.
No termo, o procurador Enrico Rodrigues de Freitas afirma que a exposição sobre empoderamento feminino é parte de um debate que "busca evoluir" e justifica a decisão pelo outro tema.
A intolerância, em especial quanto às questões de gênero e orientação sexual, está diretamente ligada ao encerramento precoce da 'Queermuseu', então nada mais coerente do que debatê-la por meio de uma nova exposição.
O Santander Cultural precisará ainda continuar a adotar informações claras a respeito de eventuais representações de nudez, violência ou sexo nas obras.

Arte, nudez e pedofilia

Na avaliação do Ministério Público, "informações já existentes sobre a Exposição em catálogos e outros meios eram suficientes para evitar as principais polêmicas que cercaram a mostra" em setembro de 2017.
A decisão ressalta que não existe legislação que exija a classificação etária para mostras iconográficas. Também lembra que, de acordo com parecer da procuradora federal dos Direitos do Cidadão, Deborah Duprat, a mera nudez de um adulto diante de menores de idade não constitui crime.
Ao encerrar a Queermuseu, o Santander afirmou, em nota, que "infelizmente a mostra foi considerada ofensiva por algumas pessoas e grupos" e pediu desculpas "a todos aqueles que enxergaram o desrespeito a símbolos e crenças na exposição".
Com 270 obras de artistas como Alfredo Volpi, Adriana Varejão, Cândido Portinari e Ligia Clark, entre outros, a mostra Queermuseu tinha como objetivo explorar a diversidade de expressão de gênero.
As obras causaram uma onda de protestos que ocorreu nas redes sociais. Um dos vídeos divulgados pedia o fim da exposição.
Contra a censura e difamação
O cancelamento da mostra, junto com a polêmica envolvendo a performance com um homem nu no MAM de São Paulo, provocou uma reação de artistas e intelectuais. Em outubro, foi lançada a campanha "#342 artes — Contra a censura e a difamação".
Curador da Queermuseu, Gaudêncio Cardoso Fidélis afirmou que todas escolhas foram feitas com base em "critérios de responsabilidade e de obediência às leis que dizem respeito à exibição de determinadas obras que possam conter algum tipo de conteúdo que venha a ferir algum tipo de sensibilidade".
Ele também destacou que cinco obras foram tiradas de contexto. "Foram essas que circulam editadas, descontextualizadas, recortadas, vastamente nas mídias sociais e na internet, que carregaram essa narrativa difamatória", afirmou.
Fonte 

Postagens mais visitadas deste blog

Luiz Barata é homenageado pela Motopel em Ipirá

A terça-feira, 27, começou de maneira surpreendente e emocionante para Sr. Luiz Magalhães, conhecido carinhosamente por Luiz Barata. Há muitos anos na Motopel, Luiz Barata viabilizou para muitos a esperança de um dia possuir uma motocicleta.  As homenagens pela passagem do seu aniversário contaram com toda equipe da Motopel, clientes e amigos que fizeram questão de prestar as mais sinceras felicitações. A diretoria e os funcionários da empresa não poderiam deixar esta importante data passar em branco. Por volta das 10h, Luiz Barata foi chamado para receber uma homenagem pelos anos de vida e os vários anos de serviços prestados a empresa. Na oportunidade, fizeram uso da palavra a Gerente Comercial Ana Celia Ribeiro, a Diretora Gislane Cavalcanti em nome do Grupo Motopel e o Diretor Wilson Perei Filho em nome de toda a família Motopel.





Dílson da Farmácia necessita com urgência de doação de sangue

Antônio Dílson Coutinho Fonseca, popularmente conhecido como Dílson da Farmácia Santo Antônio em Ipirá, está internado no Hospital Dom Pedro de Alcântara em Feira de Santana, com um quadro de anemia e necessita urgentemente de sangue de qualquer tipo de sanguíneo.

Quem puder fazer a doação, deverá comparecer nesta segunda-feira (23) ao IEF em Feira de Santana para fazer a doação em nome de Dílson Coutinho.

Fonte: Caboronga Notícias com imagem do Facebook

Comoção e lágrimas marcaram o sepultamento de “Sinho Xêpa” em Ipirá

Trilheiros de motocross, motambike, ciclistas, desportistas, familiares, amigos e admiradores de Marcio Galdino dos Santos “Sinho Xêpa”, se despediram do amigo na manhã desta segunda-feira (09), com emoção, aplausos e lágrimas. Durante toda noite deste domingo, milhares de pessoas se revezaram no velório que aconteceu na residência da família, localizada na Avenida Pedro José da Silva, número 14, bairro Casas Populares, para prestar as últimas homenagens aos amigos que era um símbolo de alegria para todos que o conheceram. Marcio Galdino Santos “Sinho Xêpa”, faleceu aos 39 anos na manhã deste domingo (08), vítima de acidente de veículo na rodovia Ipirá-Itaberaba. Além de excelente profissional de Educação Física, ficou conhecido por realizar no período de festas juninas o tradicional Forró da Xêpa. O cortejo fúnebre saiu da residência da família, percorreu várias ruas da cidade e seguiu com destino ao cemitério do povoado de Umburanas, onde será sepultado. “Fica para todos os que o c…