Pular para o conteúdo principal

Contei 4 vagões por cima de mim, diz mulher empurrada no metrô


Um dia após ter sido empurrada por um desconhecido nos trilhos do metrô Conceição, da Linha 1-Azul, na zona sul de São Paulo, Jussara Araújo de Souza, de 23 anos, atendente de uma rede de fast-food, diz ainda não acreditar que sobreviveu ao acidente sem se machucar com gravidade – tem um ferimento na perna e alguns hematomas. “Até agora estou abalada e não acredito no que aconteceu. Assisti ao vídeo várias vezes e, se não fosse comigo, eu não acreditaria que a pessoa sobreviveu. Com certeza eu nasci de novo.”
Casada e mãe de três meninos – um de 6 anos, um de 4 anos e outro de 11 meses ­-, Jussara conta que estava indo para o trabalho na tarde de terça-feira, 9, quando foi empurrada pelo auxiliar de limpeza Sebastião José da Silva, de 55 anos, que foi preso em flagrante. Ela pegaria o metrô e seguiria até a Sé, na região central, onde faria a baldeação para a estação Marechal Deodoro, da Linha 3-Vermelha, na zona oeste da cidade, próxima ao seu serviço. Ela faz esse trajeto diariamente há seis meses e nunca pensou que algo do tipo pudesse acontecer.
No momento do empurrão, Jussara não estava perto da linha de segurança da plataforma (uma faixa amarela no chão que delimita o quanto o usuário pode se aproximar da vala dos trilhos) – ela estava mais para os fundos, distraída, conversando pelo WhatsApp. Não notou a presença de Silva, que a empurrou exatamente quando o trem se aproximava. Por ter caído em um vão, ela conseguiu sair quase ilesa, apesar de ter ficado sob o veículo. “Não percebi nada. Quando me dei conta, já estava no chão, lá embaixo. Não tive tempo de me mexer, foram frações de segundos. Só consegui olhar para cima e contei quatro vagões passando por mim até o trem parar”, lembra.
Jussara diz que, nesse momento, achou que iria morrer. E que sentia muita dor na perna direita – com a queda, sofreu um rasgo na altura da panturrilha, onde levou 30 pontos – e nas mãos. “Eu só pensava nos meus três filhos e no meu marido. Comecei a gritar por socorro e chorava muito. Ouvi as pessoas me pedirem calma, para eu ficar quieta e não me mexer, que logo iriam me tirar dali”, diz.
Não percebi nada. Quando me dei conta, já estava no chão, lá embaixo. Não tive tempo de me mexer, foram frações de segundos. Só consegui olhar para cima e contei quatro vagões passando por mim até o trem parar
O trem saiu da plataforma e Jussara foi imediatamente resgatada e imobilizada por quatro bombeiros. Foi levada ao Hospital Municipal Arthur Ribeiro de Saboya, no Jabaquara (zona sul) e recebeu alta por volta das 21h, depois de fazer todos os exames e receber os pontos na perna. Nesta quarta, ela vai  à delegacia realizar exame de corpo de delito e ao seu trabalho entregar a documentação necessária para a licença médica.
A jovem disse que não conhece o homem que a empurrou. Assustada, diz que ainda não parou para pensar no que sente pelo agressor e se o perdoa pelo ato. “Não consigo pensar nisso ainda. Ainda é tudo muito recente”, disse.
Na delegacia, o autor do ataque disse, segundo a polícia, que “ouviu vozes” orientando-o a empurrar Jussara para os trilhos.
Veja o vídeo do momento em que ela é empurrada:
Jussara nasceu em São Paulo e usa o metrô como meio de transporte desde criança. Ela, o marido e os filhos moram em Americanópolis, na zona sul da cidade. A partir de agora, não sabe mais como será sua rotina. “Eu dependo do metrô para ir trabalhar e para me deslocar em São Paulo. Mas estou com muito medo. Hoje vou à delegacia e meu marido vai comigo, não vou conseguir andar de metrô sozinha”, afirmou.
Nos próximos dias, Jussara só pensa em descansar para tentar esquecer o que houve e ficar perto dos filhos. Ela, que nasceu na véspera de Natal, diz que agora vai comemorar dois aniversários: 24 de dezembro e 9 de janeiro. “Estou viva por um milagre.”
Fonte

Postagens mais visitadas deste blog

População aguarda respostas sobre a morte de Ivan de Juju do DK em Ipirá

A população ipiraense aguarda uma resposta da Polícia Civil após mais um crime chocar a todos. Na noite de terça-feira, 10, um homem conhecido por Ivan de Juju do DK foi brutalmente agredido no centro de Ipirá. A vítima chegou a ser socorrida, mas não resistiu e morreu durante a madrugada.
Somando-se mais este crime, a sensação de impunidade vem aumentando devido aos diversos casos que ainda não tiveram soluções ou não foram divulgados por parte da Polícia Civil de Ipirá.
Diversos casos de homicídio que certamente são investigados ainda não tiveram um desfecho e as famílias que perderam seus parentes sofrem, mas estão com a esperança de obter retorno através da ação das autoridades policiais. 
A situação do município é muito delicada, além da falta de respostas, por exemplo, no fim de semana, os flagrantes tem que ser encaminhados para outras cidades, dificultando a atuação das polícias durante as operações. 
Da Redação.
Foto: Whatsapp

Kannario fica indignado com Aldair Playboy por não dar crédito de música em programa da Globo

O cantor e vereador Igor Kannário ficou indignado na madrugada deste domingo (15) com a apresentação do cantor Aldair Playboy no programa “Só Toca Pop”, da Rede Globo. O programa é apresentado pelo cantor Luan Santana e pela atriz Fernanda Souza. Depois de cantar o hit “Amor Falso”, o público puxou o coral com a música “Novinha Pode Pá”, de autoria do Príncipe do Gueto, interpretada por Lucas e Orelha. A música de Kannário integra o repertório de Playboy. Ele ficou indignado, pois Aldair não deu os créditos da autoria da música, levando os créditos pelo hit. “Se fosse eu que estivesse no lugar dele, no mínimo, no mínimo, no mínimo, eu iria dizer: Poxa, Luan, essa música que a galera puxou aí agora, não é nem minha. Faz parte do meu repertório, mas é do meu amigo Aldair Playboy, lá da Paraíba, de não sei onde. Isso sim. É pelo certo. Se liga aí”, reclamou em sua conta no Instagram, por meio de vídeo. As informações são do Bahia Notícias.

Prefeitura de Ipirá intensifica trabalho de recuperação de estradas vicinais

A estrada que dá acesso à localidade rural de Coração de Maria, em Ipirá, foi totalmente recuperada pela Secretaria Municipal de Infraestrutura, através de ações desenvolvidas pela Prefeitura de Ipirá. Toda a extensão da estrada – aproximadamente 12 quilômetros – passou por serviços de patrolamento e encascalhamento.

A manutenção das estradas vicinais de Ipirá é um desafio para a administração pública. São estradas fundamentais para o escoamento da produção municipal. Desde primeiros meses da atual gestão foi elaborado um calendário de ação obedecendo ao critério de emergência de cada localidade. Já foram recuperados centenas de quilômetros. Em alguns casos, a via também foi alargada, facilitando a trafegabilidade de ônibus e caminhões. O calendário sofreu atraso por conta das chuvas que vinham caindo em todo município.
O trabalho de recuperação da estrada de Coração de Maria foi acompanhado de perto pelo vereador Laelson Neves que tem se empenhado cada vez mais para garantir sempre…